Uma mala sem alça e sem rodinhas

 

 

 

 

 

 

Texto de Rogério Ruschel

Porque nosso turismo não consegue andar pra frente? Cerca de 30 entidades nacionais e regionais do turismo brasileiro estão divulgando uma Carta Aberta à Nação fazendo um mimimimi para não deixar que o Ministério do Turismo volte atrás da decisão de isentar o visto para turistas de países estratégicos como os Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália – um pleito antigo do mercado que, de acordo com projeções do Ministério do Turismo, pode injetar R$ 1,4 bilhão na economia nacional.

As entidades devem achar que esta Carta Aberta é uma atitude corajosa, mas me desculpem, isto não passa de uma infeliz demonstração de fraqueza. O problema fundamental, básico e persistente de nosso turismo, é que o setor nunca exigiu ser respeitado pelos governantes e sempre aceitou ministros de turismo sem expressão, qualidade, capacidade ou interesse – com honrosas exceções.

O ministro atual se chama Marx Beltrão Lima Siqueira, é um advogado e político de Maceió, da quota nordestina do PMDB e réu em uma ação penal por irregularidades cometidas no Fundo de Previdência da gloriosa cidade de Coruripe, quando foi prefeito da mesma. Sim, o prefeito desviou dinheiro do fundo de previdência da comunidade da qual era prefeito. Acredite, sua Excelência o Ministro confessou o crime, mas mesmo assim vem fazendo carreira: foi eleito deputado, na sequência foi escolhido para ser o Ministro do Turismo em outubro de 2016 e continua até agora, enquanto o pais inteiro amarga o desemprego e joga fora o potencial turístico. Se assaltar mais um cofre público deve ser eleito Senador e depois de destruir a boa vontade dos técnicos do Ministério (gente que se dedica e tenta construir), finalmente chegará a Presidência da República, não? Um mala sem alça e sem rodinhas.

Me desculpem as entidades do turismo, mas até quando vão aceitar este tipo de humilhação? Enquanto a iniciativa privada do turismo no Brasil pede publicamente ao Ministro do Turismo que se comporte como um ministro, o pequeno Portugal caba de ter três de seus programas apresentados pelo Organização Mundial do Turismo (OMT) como boas práticas de turismo sustentável no mundo. Para o ministro da Economia de Portugal, Manuel Caldeira Cabral, este reconhecimento permitirá a promoção do país “não como destino barato, de sol e praia”, mas como “destino sustentável e de qualidade”. Destino barato de sol e praia lembra alguma coisa para você? ”Nem com muito trabalho de promoção publicitária conseguimos uma distinção tão grande”, diz o ministro português.

Em Portugal o Turismo é uma atividade que se reporta ao Ministério da Economia.

Fonte: Facebook https://www.facebook.com/rogerio.ruschel

 
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.