Saber ouvir

 

Ouvir é a mais crítica das habilidades de comunicação. Em mais de 50% de nosso tempo durante nossa vida estamos na situação de ouvintes. Os humanos ouvem antes de falar, falam antes de ler e leem antes de escrever. Somos quase todos ensinados a ler e escrever, e alguns como falar bem, mas poucos aprendem como podem se tornar bons ouvintes. Esta é a mais negligenciada das habilidades de comunicação.

Ouvir efetivamente é escutar com atenção e entender o que os outros falam através de ideias e sentimentos, como isso pode ser aplicado, memorizando para posterior uso ou avaliação. Qualquer pessoa pode desenvolver suas habilidades de bom ouvinte, e o primeiro passo é livrar-se dos maus hábitos de ouvinte.

Os ouvintes ineficazes e desatentos estão enquadrados em uma ou mais de uma forma:

  • O enganador é aquele que emite sinais externos, balança a cabeça concordando e ocasionalmente murmura: hum… hum… no entanto, sua mente está vagando longe e ele nem sabe dizer o que ouviu.
  • O apressado não deixa o outro terminar sua fala, não faz perguntas e nem procura mais informações. Está sempre muito ansioso para falar e mostra pouco respeito pelos outros.
  • O intelectual está sempre tentando interpretar e julgando prematuramente as palavras dos outros. Raramente presta atenção nas emoções que vem por trás das palavras.
  • O egocêntrico usa as palavras que ouve como um meio para falar de si; se apossa do tema da conversa e muda o foco para suas opiniões, histórias ou fatos.
  • O argumentador escuta o suficiente para usar as palavras dos outros contra eles; quer sempre provar que os outros estão errados e acabam provocando discussões até que os outros mudem de ponto de vista, mesmo sem nenhuma necessidade.
  • O conselheiro interfere na conversa e não permite que os outros possam articular seus pensamentos e sentimentos, não ajuda os outros e ainda tenta depreciar os outros.

A chave para nos tornarmos bons ouvintes é assumir um comportamento ativo, saindo da passividade. Uma pessoa com bons hábitos de ouvinte se concentra em quem está falando; avalia seus significados e responde efetivamente. A pessoa motiva a si mesma mantendo uma atitude positiva, certa de que tudo o que se ouve tem sempre algo que ensina. Busca aprender com as boas ideias e informações dos outros, com as criticas e comentários, porque sabe que sempre são valiosos.

Nunca devemos julgar pela aparência; mostrar respeito é aceitar as diferenças. Quando nos concentramos no conteúdo da mensagem e não desviamos nossa atenção por falhas irrelevantes, por exemplo, quando o outro pronuncia uma palavra errada, conseguimos compreender com mais facilidade. Ao ouvir ideias diferentes, evitando reações apressadas e defesa de seus pontos de vista, podemos aguardar enquanto o outro complete seu raciocinio e assim compreender integralmente o ponto de vista.

Uma mente aberta, respeita o direito dos outros de pensar diferente. Focalizar e identifiquar as macro ideias da mensagem e não se prender apenas em uma única palavra, é a chance de procurar os conceitos nos quais se fundamenta o outro, e serve para facilitar a compreensão da mensagem. Por isso, devemos anotar apenas as ideias e pensamentos mais relevantes.

Resistir às distrações e adotar comportamento ativo, mantendo a contato visual e expressões faciais discretas para concordar ou discordar, permite, no momento oportuno, fazer comentários ou pedir esclarecimentos. Assim devemos resumir mentalmente o que ouvimos, sem deixar que os nossos pensamentos interfiram. Muitas vezes quando os outros falam uma coisa e entendemos outra coisa, é porque efetivamente não ouvimos; enquanto o outro estava falando, nós estávamos perdidos nos nossos pensamentos…

Fonte: http://gestaodenegocioseeventos.blogspot.com.br

 
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.