Turismo colaborativo: jantando na casa de estranhos

 

Por Vanessa Mathias do Chicken or Pasta

Sempre tive um lema ao viajar: para conhecer a cozinha local, sempre fiz questão de comer no primeiro muquifo qualquer da esquina, e naquele restaurante aclamado pela crítica dos foodies de plantão. Mas mudei recentemente: para mim, a melhor experiência é sempre comer na casa dos locais.

Já contei nos primeiros capítulos dessa série de consumo colaborativo em viagens como se hospedar e como pegar carona com desconhecidos. Mas minha paixão mesmo, são as plataformas colaborativas de culinária: juntam aspirantes a chef domésticos com viajantes curiosos.

Assim já participei de um autêntico chá inglês em Londres com um casal elegantésimo, comi peixe na folha de banana na casa de um chef no Laos, fui iniciada na harmonização de vinhos em Bordeaux. Sempre com anfitriões ultra receptivos, conversa agradável, e comida sensacional, mas única.

Assim como as de transporte colaborativo, os sites são quase todos focados em apenas algumas cidades.

Como funciona:

Depende do site. Você precisa observar se existe uma regra básica de pré-agendamento, é normal pedirem para se preparar – em geral, é a casa do anfitrião, e ele não vive disso. Muitas vezes também é necessário um número mínimo de pessoas, pois cozinhar para dois ou três normalmente não é viável. Alguns dos sites já mostram datas disponíveis, mas a maioria você deve primeiro realizar uma consulta/ reserva.

1. Feastly

Um dos pioneiros na ideia, o Feastly tem opções bem criativas de menus e chefs. Você escolhe a data que estará lá e já aparecem as ofertas disponíveis. Mais fácil e prático que os demais sites.

Fiquei fissurada por esse jantar de 27 dólares de uma moça de Myamar. Mas infelizmente não vou para San Francisco tão cedo. Aliás, o site é focado nos EUA, está em Chicago, NYC, Washington e San Francisco.

2. Traveling Spoon

O Traveling Spoon é o melhor site focado na Ásia, com experiências realmente autênticas. Seja em Bangladesh, Japão, Índia, Tailândia, Índia, Hong Kong, Indonésia, Coréia, Malásia, Nepal, Singapura, Taiwan, Sri Lanka, Tailândia, Vietnã, e até na Turquia, haverá uma senhorinha com um talento irreal e um coração amoroso para hospedá-lo com um sorriso em forma de prato.

Você ainda pode escolher entre apenas a refeição, uma aula de culinária com refeição, ou ainda um tour pelo mercado local, aula de culinária e refeição. Diria que é meu sonho realizado.

O único problema é que você deve reservar 3 dias antes, e ver se tem algo considerando sua opção de data, horário e endereço.

O Vizeat absorveu alguns sites e é um dos que mais está crescendo, porém as opções ainda são bem poucas. Apesar disso, se estiver em Paris, Milão, Nice, Roma, Londres, Lyon, Barcelona, Berlim, Bologna, Florença, Nova Delhi, Bruxelas, Boston, Haifa, Manchester, Marseille, Nova York e até Marrakesh, pode testar.

Escolha a data e pergunte para o anfitrião se ele estará disponível!

Esse é dos meus sites favoritos, principalmente porque existe, além de jantares normais, a opção “Temas”. De um brunch à beira da piscina, jantar em uma vinha, colher seus morangos frescos em um sítio orgânico, ou em um apartamento incrível, esse é seu lugar. Os temáticos são, em geral, acima de 60 euros.

A maioria é na França, mas estão em Barcelona, Buenos Aires, Canberra, Cape Town Londres, Marseille, Nova York, Praga, Sydney e Tokyo também.

Esse é um dos sites com mais opções de cidades e lugares (450!), apesar de ter maior concentração em Berlim, NYC, Chicago, e até aqui mesmo (São Paulo e Rio). Testei Camboja, Londres, Santiago, e aparecem várias opções! O legal do site é que ele incentiva a dividir a refeição que eles realmente fariam em um dia qualquer à noite, sem fuzuê. Afinal, quando você viaja, é o que mais quer, né? Do lado do anfitrião, ele ganha uma graninha para ratear os custos do jantar.

Esse site tem muitos, muitos lugares para escolher. Cobre os 5 continentes.Ele também funciona mediante reserva: você seleciona uma opção, e vê se seu anfitrião está disponível. A média dos jantares é em torno de 35-40 dólares por pessoa. Como ele é baseado em Cingapura, é uma excelente escolha quando estiver pela Oceania e Sudeste Asiático.

7. Eatwith

O Eatwith é de Tel Aviv, mas está também nas principais capitais (150 cidades!). Funciona de forma muito parecida com os demais. Ele foi pioneiro a entrar no Brasil, com opções bacanas.

Além de ser comensal quando viaja, outras formas de participar das plataformas é hospedando seu próprio soirré. Ou sendo embaixador de um dos sites, cada um tem um tipo de programa. Eu mesma já fui anfitriã de muitos jantares e garota propaganda dessa última plataforma durante um tempinho aqui no Brasil…

Agora não tem mais desculpa para acabar em restaurantes pega-turista-de-panfleto-do-hotel, né? Vamos experimentar na próxima viagem?

*****

Foto home crédito: La Myerda

Fonte: http://chickenorpasta.virgula.uol.com.br

 
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.