Etiqueta: cumprimentos

 

 

 

 

 

 

 

Trocar abraços e beijinhos é um hábito bem brasileiro. É o jeito receptivo de demonstrar afeto para as pessoas que encontramos. No entanto, a etiqueta deve ser sempre levada em consideração evitando constrangimentos.

Em situações mais informais o beijo é uma demonstração normal, quando amigos e parentes se encontram. No entanto, numa situação social quando se fazem as apresentações, a pessoa a quem está sendo apresentada é que pode mostrar seu interesse nessa demonstração de afeto. No caso de duas pessoas da mesma idade e em uma situação profissional, é a mulher que mostra se está a fim de cumprimentar com beijinhos ou se prefere ficar só no aperto de mãos.

 

 

 

 

 

Nas relações profissionais um aperto de mão deve ser um gesto formal mas os poucos segundos enquanto aperta a mão de outra pessoa, e a move verticalmente, deve transmitir algo sobre você como pessoa. Pode parecer irreal mas um aperto de mão não é algo simples, e quem já recebeu um fraco e desajeitado aperto de mão entende como isso faz diferença.

O momento do aperto de mão é um dos poucos em que a personalidade de fato se revela. Um bom aperto de mão deve consistir de uma mão firme e um pequeno balançar, mantendo o contato dos olhos, tudo sempre com moderação. Os encontros que começam com este ato remontam ao Egito antigo e foi muito utilizado entre guerreiros para demonstrar que não estavam armados, num processo de transmissão de confiança.

Em nossos dias este pequeno ato ganhou muita importância no ambiente corporativo, por se tratar do processo que geralmente marca o início de uma conversação e ainda transmite a mesma intenção, demonstrar confiança. Deve-se estender a palma da mão completamente aberta. Isso transmite a mensagem: sou igual a você e estou desarmado. Um aperto de mão normal e controlado é percebido como traço de uma pessoa extrovertida e apresentável.

Se alguém deixa cumprimentar quando uma mão lhe é estendida, tal atitude é considerada completa falta de educação tal como espremer a mão dos outros, puxar o braço do outro quase a ponto de amputá-lo ou olhar fixamente nos olhos dos outros como um hipnotizador. Tudo isso transmite uma imagem, porém não tanto agradável.

Um aperto de mão muito apertado parecendo estar espremendo a outra mão, a menos que esteja tentando fraturar a mão do outro, estará transmitindo uma mensagem de desejo de autoafirmação. Além disso, é constrangedor e dolorido para quem tem a mão espremida.

Um aperto de mão mole, apático e frouxo igualmente é desagradável, pois pode demonstrar insegurança, apatia e desinteresse. Também não se deve demorar segurando a mão dos outros, mesmo que se sinta muito feliz no encontro. Isso pode demonstrar distração ou nervosismo, que até se esquece de soltar a mão do outro.

 

 

 

Muitas pessoas se sentem desconfortáveis quando são cumprimentadas muito de perto. Isto acontece porque cada um de nós temos várias zonas especiais, as quais devem ser respeitadas, pois uma proximidade muito estreita pode provocar reações bastante adversas. Embora este espaço possa variar um pouco de pessoa para pessoa ou entre culturas, o ideal é manter uma distância de 45 a 120 cm dos outros. É extremamente desagradável um contato físico indesejado, e a menos que seja íntimo da pessoa, evite tapinhas nas costas ou nos ombros.
A maioria das pessoas dá apertos de mão com a mão direita, mas se alguém oferecer a mão esquerda, siga o que os outros fazem, ofereça sua mão esquerda também. As pessoas devem se lembrar de você, por isso transmita a melhor lembrança através do seu agradável aperto de mão. Isso não é a coisa mais importante da vida, mas no mundo atual, ninguém quer perder pontos por algo tão simples.

E se quiser causar realmente uma boa impressão, ao despedir-se, cite o nome do seu interlocutor. Isso demonstra interesse e denota que esteve realmente prestando-lhe atenção. Fechando um encontro com chave de ouro, sorria. Um sorriso sincero consolida sua primeira impressão, transmitindo uma mensagem positiva e confiante.

Atenção especial deve ser dada ao cumprimentar estrangeiros. Os gestos simbolizam os cumprimentos e variam de cultura para cultura. O ideal, em situações formais, é restringir-se apenas ao aperto de mãos, um costume ocidental já incorporado. Os japoneses cumprimentam apenas com o aceno de cabeça. Italianos e franceses apreciam mais asdemonstrações de afeto, onde os beijinhos na face entre homens familiares e amigos é comum. Entre árabes, o cumprimento normal entre dois homens é a troca de beijos nas faces.

 

 

 

 

 

 

 

O abraço é um enlaçamento de braços e, dependendo da cultura, é uma forma de demonstração de afeto que pode expressar sentimentos ou cumprimentos. Em situações sociais não se permite abraços apertados que devem ser reservados apenas entre amigos e parentes. Um abraço em alguém pode demonstrar também proteção instintiva, já que os animais abraçam seus filhotes para protegê-los; porém em algumas culturas pode ter uma interpretação sexual, por isso é uma atitude que reserva alguns cuidados.

No Brasil o abraço impessoal é aquele apenas falado e não dado de fato, sendo comum cumprimentar ou se despedir dizendo “um abraço”, um sinal de mínima intimidade que pode ser usado mesmo entre pessoas desconhecidas. Porém em outras culturas pode ser íntimo demais para ser escrito ou falado e dificilmente tem o sentido impessoal. Você pode mandar lembranças, recordações ou simplesmente um “alô”, porém evite mandar abraços ou beijos em suas cartas e emails para estrangeiros, salvo se estiver escrevendo para o seu namorado.

 

 

 

 

 

 

 

E vale lembrar que quando se está resfriado, não se deve chegar muito perto dos outros, pois ninguém está a fim de micróbios. Não existe nada pior do que ver uma pessoa visivelmente gripada, com seu cacoete de fungar, se aproximando para um caloroso beijo…

Fonte: http://www.gestaodenegocioseeventos.blogspot.com.br

 

 
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.