Entrevista com britânica expert em casamentos: Sarah Haywood

 

 

 

 

 

 

 

Escrito por Tainan Fidelis

Hoje, quisemos nos sentir um pouco mais próximos do cérebro responsável por alguns dos mais luxuosos casamentos do Reino Unido. Então, traduzimos a entrevista com uma das melhores planejadoras de casamentos do mundo e autora de best-sellers nupciais – Sarah Haywood.

Sarah ganhou uma reputação mundial na indústria de casamentos e eventos, solicitada por celebridades e figuras públicas assim como casais procurando por aquele dia especial.  Sarah desenvolveu e administra Sarahhaywood.com, uma consultoria de luxo para planejamento de casamentos e design e é autora da Bíblia do Casamento (Wedding Bible).

A entrevista foi conduzida por Mike Chidzey do blog eventjuice.

Então Sarah, como você construiu uma excelente reputação na indústria de casamentos?

Sarah: Eu nunca previ fazer o que eu faço, isso foi evoluindo. Meu primeiro emprego foi na televisão. Eu fui sortuda o suficiente para ser aceita em uma emissora como trainee cerca de 20 anos atrás, e ganhei muita experiência em todas as tarefas que envolvem a criação de notícias para TV – relatar, apresentar e produzir. A habilidade desenvolvida foi facilmente transferida para o que eu faço agora. Eu planejei dúzias de eventos para a emissora em que eu trabalhava, para amigos e para alguns poucos clientes “pagantes” antes de realmente admitir pra mim mesma que eu tinha me tornado uma planejadora de eventos.

Na época em que escrevi meu primeiro livro, a Bíblia do Casamento, aquilo exigiu tanto minhas habilidades jornalísticas quanto meu know how em planejamento de eventos. Definitivamente foi o primeiro marco na minha carreira de eventos e nossa melhor ferramenta de marketing até hoje. Foi uma época muito difícil para todos nós, e eu perdi o foco, mas aprendi um novo grupo de habilidades que se provaram essenciais em mover o negócio (agora sim, um negócio) e estabelecer uma marca de casamentos de luxo muito clara e identificável.

Ser um planejador de eventos e tocar um negócio de sucesso são duas coisas totalmente diferentes. Você pode ser um produtor de eventos muito talentoso, mas se você não tiver as habilidades ou interesse em tocar um negócio, trabalhe para alguém!

E qual conselho você daria para planejadores de eventos que esperam seguir um caminho semelhante?

Acima de tudo, eu aprendi a ser flexível e trabalhar com as habilidades que tenho, e quando identifico forças que estão me faltando, ou eu as adquiro ou as compro.

Você também deve reavaliar o mercado constantemente, assim como sua posição interna e a direção que você está tomando. Ser um planejador de eventos e tocar um negócio de sucesso são duas coisas totalmente diferentes. Você pode ser um produtor de eventos muito talentoso, mas se você não tiver as habilidades ou interesse em tocar um negócio, trabalhe para alguém!

Você é bem conhecida por organizar casamentos de “contos de fadas” por um preço “econômico”, isso é realmente possível?

Agora nós estamos trabalhando exclusivamente na área de eventos luxuosos e com grandes orçamentos, que é onde temos mais experiência. Mas antes disso, eu mantive uma reputação de entregar eventos chiques com orçamentos mais modestos. Não era uma estratégia que funcionaria à longo-prazo em um negócio viável, mas me deu rapidamente muita experiência com a “mão na massa”, e nos permitiu construir um portfólio decente. Eu acredito que a melhor, e provavelmente única maneira de construir um negócio como o nosso, é experiência. E para ter acesso ao mercado de eventos de luxo você tem de ter experiência mas também saber o que é luxo – instintivamente. Se você não consegue reconhecê-lo você não pode replicá-lo.

E sim, é possível planejar um casamento dos contos de fadas por um custo razoável, o segredo é focar os recursos na sensação dos convidados e dispensar gastos em penduricalhos. Então, uma visão de design que é limpa, simples e estruturada, com espaços organizados, limpos e belas decorações de centro de mesa. Depois, sirva a melhor comida e as melhores bebidas que o orçamento permitir.

Meu lema é “convidados felizes fazem casamentos felizes”.

Quais dicas você pode compartilhar com alguém prestes a organizar um evento, para elevá-lo a um outro nível?

Quando você está desenhando um evento, tudo que você está realmente fazendo é criar o “plano de fundo”. Mais importante para um evento do que o visual é qual a sensação que ele proporciona ao anfitrião e seus convidados. Pessoas fazem grandes festas, então meu lema é “convidados felizes fazem casamentos felizes”. Como eu disse, foque na experiência do convidado, até quando estamos planejando eventos com orçamentos generosos – casamentos de mais de um milhão – é tudo sobre a experiência proporcionada ao convidado.

Deixe-os bem servidos, bem “abastecidos” e mantenha o evento fluindo. Ninguém gosta de estar em um evento sem saber o que vai acontecer em seguida. Então, tão importante quanto o local e a decoração é como o evento vai acontecer e quem vai gerenciar isso. A pessoa responsável deve ter a habilidade e flexibilidade de superar algum imprevisto se algo não estiver funcionando, ou permitir uma parte específica do evento “respirar” se estiver indo bem (então não apresse o serviço de jantar se um grupo específico de pessoas estiver aproveitando – permita que se estenda e deixe seu plano de evento flexível o bastante para isso acontecer – e o contrário também).

Não seja tão inflexível porque as pessoas são diferentes, toda festa vai ser diferente e o que funciona para um grupo de pessoas pode não funcionar para outro.

Nós não gostamos de encorajar desperdício de tempo, mas da mesma forma sabemos que precisamos dar tempo para as pessoas relacionadas serem ouvidas, então até mesmo as decisões casuais são informadas.

Eu estava imaginando, na vasta quantidade de casamentos que você já organizou e entregou para casais, quais têm sido os desafios?

Por termos focado predominantemente em casamentos, nós ganhamos uma experiência valorosa. O maior desafio e aprendizado tem sido aceitar que planejar casamentos realmente é diferente de planejar qualquer outro tipo de evento ou festa, apenas é.

Isso acontece porque todo casamento, grande ou pequeno, é carregado de expectativas. E podem haver mais do que um grupo de expectativas (!), da noiva e do noivo, e das pessoas que investiram tempo, dinheiro e emoções naquilo. Eu vejo como parte do meu trabalho controlar essas expectativas e colocar todos na mesma página.

Tudo fica mais demorado por causa dessa “expectativa” e o fato de as pessoas para quem você está trabalhando, seja lá o que digam,  vêem esse casamento como um marco gigante em suas vidas, um dia em que eles aproveitam o equivalente a um “momento de tapete vermelho de Hollywood”. Claro que essa é uma visão simplista, mas explica porque cada pequena decisão, desde as flores até o buffet, onde a recepção vai ser e como você chegará lá, demoram um longo tempo pra serem tomadas e com todo mundo querendo dar um pitaco. E você deve ter certeza de que todos estão sendo ouvidos ou isso vai voltar contra você no futuro – bem provavelmente na semana do evento em si.

Também pode ser difícil de definir quem é seu cliente quando dois grupos de pais, além do casal, estão contribuindo financeiramente para o grande dia. A maioria das pessoas poderia, com toda a razão, gostar de saber como o seu dinheiro está sendo gasto. Então, chegar ao equilíbrio exato quando você é parte desse processo é desafiante – e nós não gostamos de encorajar desperdício de tempo, mas da mesma forma sabemos que precisamos dar tempo para as pessoas serem ouvidas, então mesmo as decisões casuais são informadas.

Uma lição que eu vivo aprendendo é que quando os pais estão pagando e eles te dizem que é o casamento de seu filho ou filha, e eles devem ter o que eles quiserem, o que os pais realmente querem dizer é “Eles podem ter o que eles querem desde que seja o que nós quisermos”! As enrascadas em que já me vi por causa disso – e mais de uma vez – eu poderia escrever um livro sobre elas!

E as decisões mais difíceis?

Entre as decisões mais difíceis estão aquelas quando temos de negar um serviço porque sabemos quem somos e por alguma razão, ele não se encaixa. Isso acontece raramente, mas no nível em que estou, eu prefiro trabalhar com pessoas que realmente contribuem para tornar a experiência agradável. Para criar um evento excepcional, você tem de gostar dos clientes e eles tem de gostar e confiar em você. Se um cliente potencial não adere ao nosso negócio e a maneira como trabalhamos, há vários concorrentes alternativos que eles podem contratar!

[A internet] permite a qualquer um pesquisar sobre a carreira de um profissional da indústria de eventos, todas as opções e até conselhos úteis. E quando você estiver pronto, [ela] permite um marketing direto para clientes potenciais.

Se você acordasse amanhã, no começo da sua carreira, mas com a experiência em eventos que tem agora, que ações você tornaria prioridade ao começar novamente?

A única coisa que eu faria diferente é minha tarefa de casa. Eu seria mais atenciosa. O mundo e como os negócios são operados hoje são muito diferentes do aquele uma década atrás. Qualquer um começando agora tem um cérebro com uma visão totalmente diferente da minha e aí seria onde eu buscaria tirar vantagem, já que eles são da mesma geração que os potenciais clientes, uma geração que cresceu olhando para telas de computadores, com a internet e a comunicação em dispositivos móveis. Trata-se de um benefício mútuo, pois permite a qualquer um pesquisar sobre a carreira de um profissional da indústria de eventos, todas as opções e até conselhos úteis. E quando você estiver pronto, permite um marketing direto para clientes potenciais. Mas isso também significa que não há desculpas para não desenvolver um plano de negócio realista ou adquirir habilidades e buscar conselhos relevantes. Eu também teria menos pressa para trabalhar por mim mesma e deixaria alguém “pagar a conta” enquanto eu estivesse aprendendo!

Se aqueles realmente experientes e bons entre nós, fomentarem uma cultura de respeito e profissionalismo, além de compartilhar aquilo que sabem, isso vai acabar com aqueles que não deveriam estar no nosso ramo.

E qual o maior problema da indústria de eventos hoje?

De uma perspectiva externa, somos considerados uma indústria com falta de profissionalismo e que falha em entregar o valor pelo que é pago. Eu acredito que isso seja muito severo, mas realmente acho que um pouco de falta de respeito entre nós está começando a infectar nossa indústria – especialmente no setor de casamentos. Eu fico perplexa – especialmente quando o extremo oposto também é verdadeiro.

Como uma indústria, acho que poderíamos nos apoiarmos mais uns aos outros. Se aqueles realmente experientes e bons entre nós, fomentarem uma cultura de respeito e profissionalismo, além de compartilhar aquilo que sabem, isso vai acabar com aqueles que não deveriam estar no nosso ramo (seja qual for a razão).

A cultura de “empreendedorismo” também está tendo um efeito negativo em todos os outros negócios. Ela sugere que qualquer um que tenha seu próprio negócio seja um empreendedor e que empreendedores são, por natureza, movidos por riscos. Eu não compartilho essa visão. E também não acho que seja simples como um sonho e de que você vai alcançar seu objetivo apenas por que você “quer muito, muito isso”. Nós paramos de relembrar aos jovens de que raramente há atalhos para o sucesso. Para ser realmente bom em algo você deve trabalhar duro nisso e continuar trabalhando para alcançar vôos maiores.

Se seu sonho é fazer assessoria de casamentos, cerimonialista ou ser um planejador de eventos, então vá e tente isso por um ano, trabalhando em um time de profissionais de eventos, ganhando experiência em várias áreas, semana a semana. Então me diga se esse é seu “sonho” (e eu não preciso dizer pra nenhum de vocês de que esse negócio não tem nada a ver com champanhe e festas)!

Entrevista traduzida do blog Event Juice.

Fonte: www.mobilizesolucoes.com.br

 
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.