História das refeições

 

 

 

 

 

 

 

Na atualidade moderna as refeições têm definições: café da manhã, almoço, lanche e jantar. Mas nem sempre foi assim. Na Inglaterra medieval existia a primeira refeição da manhã, o jantar e a ceia um pouco antes de dormir, quando o sol se preparava para se por. A evolução dos costumes se deu a partir das classes sociais, econômicas e fatos políticos, além das inovações tecnológicas.

Na Idade Média, o café da manhã era apenas uma leve refeição com um minguau ou uma papa, exceto quando se oferecia um suntuoso café da manhã para impressionar os convidados. A refeição principal do dia era servida entre 10 horas da manhã e meio dia, chamada de jantar, que hoje chamamos de almoço. Era mais que uma refeição, era uma ostentação para exibir demonstração de riqueza e poder, com dezenas de servos atendendo a um ritual.

A culinária era preparada com muita antecedência e as apresentações artísticas precediam o jantar, que poderia se desenrolar durante várias horas. A culinária da principal refeição servia variadas carnes de cordeiro, cabrito, pato, faisão, coelhos, gansos, pombos e peixes; com acompanhamentos de queijos e embutidos mais sobremesa de frutas, além do vinho. Os legumes e hortaliças eram considerados os alimentos dos mais pobres, que também consumiam mais ovos, cevada e castanha.

Os cavaleiros e titulares menos nobres tinham hábitos menos formais, porém no mesmo horário do meio dia. Os comerciantes, limitados pelo trabalho diário, se alimentavam mais tarde, por volta das 14 horas, e retornavam para atender seus clientes. Para os camponeses era a principal refeição principal do dia, depois de muitas horas de trabalho; porém com menor variedade. Eles comiam mais nessa refeição do que no café da manhã.

Hoje muitas pessoas concentram a maior refeição em torno do meio dia e isso deriva do costume dos camponeses da Idade Média. A iluminação artificial, como lâmpadas de azeite e velas eram caros e as pessoas mais pobres iam dormir no por do sol. A última refeição era apressada antes que chegasse a noite e escurecesse. Apenas os mais abastados ou da corte, que tinham seus salões decorados e iluminados por muitas tochas e velas, permaneciam acordados, e assim podiam servir a ceia mais tarde. Daí surgiu o jantar às luz de velas de nossos dias, considerado muito romântico.

Os Ingleses faziam a última refeição do dia, a Ceia, com as sobras da refeição do meio dia. Geralmente comiam pouco entre 16 e 18 horas. Eles evitavam ingerir muita comida e depois ainda podiam ter algum entretenimento, ao contrário das classes mais baixas. Porém, mesmo os nobres costumavam ir para a cama logo após o anoitecer. A Ceia sempre foi considerada uma refeição opcional pelos ingleses, pois eles se empanturravam tanto na refeição do meio dia que não sentiam fome até o dia seguinte.

Fonte: http://gestaodenegocioseeventos.blogspot.com.br

 

 
Esta entrada foi publicada em Artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.