Gastroturismo

 

      

Interessados na culinária de diferentes lugares do mundo, viajantes criam o “gastroturismo”

Claudia Silveira. Do UOL, em São Paulo

Há inúmeros motivos que levam um turista a comprar passagens, arrumar as malas e partir para uma outra cidade, estado ou país. Para um grupo de viajantes, um dos principais atrativos está na culinária local, seja ela sofisticada, de rua ou temperada com gosto de novidade. São os “gastroturistas” ou, em inglês, “food trotters”.

Este nome é informalmente dado aos viajantes que estão mais interessados em experimentar e vivenciar a gastronomia de outros povos do que posar para fotos em pontos turísticos. Na prática, o “gastroturismo” pode ser feito em qualquer lugar, ao visitar outra região, país, um estado vizinho ou fazendo um bate-volta para aquela cidade mais distante, mas com ótimos restaurantes.

Se em outro país, o idioma pode ser totalmente diferente do nosso, o mesmo vale para a culinária local. Por isso, a viagem gastronômica pode ter sabor exótico e causar surpresas. Para um “gastroturista”, no entanto, não dá para ficar com preconceitos.

Viajantes brasileiros na Europa podem se hospedar em casas alugadas por agência especializada e fazer o próprio jantar durante uma aula de gastronomia com ingredientes locais

Serviço de luxo

Enquanto muitos “gastroturistas” preferem planejar a viagem por conta própria e passar meses pesquisando sobre determinada cidade ou região, há aqueles que optam por roteiros fechados ou montados sob medida para cada viajante.

Se provar a culinária de uma outra cidade ou país é um tipo de realização para o paladar de qualquer “gastroturista”, a grande oferta de destinos é um desafio a ser vencido com o bolso, o tempo e o estômago.

Fonte: www.uol.com.br

 
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.